Renda Brasil pode ser incluído na Constituição Featured

14 Set 2020
9 times

O Renda Brasil, programa do governo federal que substituirá o Bolsa Família e garante uma renda mínima aos cidadãos, deve ser incluído na Constituição, segundo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

O senador informou que o projeto deve ser encaixado no parecer da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do pacto federativo, do senador Márcio Bittar (MDB-AC). A PEC traz medidas para cortar despesas e abrir espaço no teto de gastos, mecanismo que atrela o aumento dos gastos à inflação

De acordo com Bezerra, as medidas de desindexação (retirada de correções automáticas de gastos), desvinculação (retirada dos “carimbos” das despesas) e desobrigação – o chamado “DDD” – podem abrir uma lacuna fiscal de R$ 20 bilhões em 2021, e pode passar dos R$ 40 bilhões no segundo ano de implementação.

Para ele, com a baixa da inflação é possível aprovar a desvinculação do salário mínimo, que deixaria de ter correção automática pelo INPC para viabilizar o Renda Brasil. “Assim como nós colocamos na Constituinte de 1988 o SUS (Sistema Único de Saúde), vamos assegurar a renda mínima”, avaliou.

Assim, o Renda Brasil cuidaria dos brasileiros desde a primeira infância até o primeiro emprego.

Bezerra negociou nos últimos dias o cronograma de votação dos principais pontos da agenda econômica. A previsão é que no dia 16 de novembro seja definido o espaço fiscal para o financiamento do Renda Brasil em 2021, com os recursos disponíveis e o público beneficiado.

Até lá, a estratégia é aprovar as medidas que vão abrir espaço para bancar o programa por meio da PEC do pacto federativo. “É um programa muito inovador, que estimula a formalização do emprego, mas com compromisso com a solidariedade social”, enfatizou o senador, ressaltando que a pandemia piorou a desigualdade no mundo.

Fontes de financiamento

Saber de onde virão os recursos do Renda Brasil é a grande questão. O presidente Jair Bolsonaro quer um valor próximo dos R$ 300 mensais. Para isso, a equipe econômica sugeriu acabar com benefícios como abono salarial (14º salário pago a trabalhadores com carteira que ganham até dois salários mínimos) e seguro-defeso (pago a pescadores no período de proibição da atividade). O presidente descartou a sugestão.

Desde então, a área econômica foca em criar o programa, ainda que de forma mais tímida no início.

Segundo fontes ouvidas pelo jornal O Estado de S.Paulo, o Ministério da Economia avalia criar uma espécie de “caixinha” para o programa e ir colocando recursos poupados lá. Ao perceber o sucesso do Renda Brasil, o Congresso ajudaria a encher ainda mais essa espécie de poupança.

FONTE: REVISTA OESTE

 
Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter the (*) required information where indicated. HTML code is not allowed.

Tela Noticia acima de tudo, representa jornalismo com seriedade em busca da verdade por trás dos fatos!

Lives Facebook

GALERIA FATO VERDADE