×

Aviso

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 930
Polícia

Polícia (315)

RIO — O senador Romário (Podemos-RJ) se envolveu em um acidente de trânsito na tarde deste sábado na Avenida das Américas, na altura do shopping Barra Garden, na Barra. Segundo informações do 31º BPM (Barra da Tijuca), foi constatado que Romário é o proprietário do veículo, mas quem dirigia era um amigo. O acidente envolveu o motociclista Ernesto Gill Cavlcante da Silva, de 42 anos, que foi socorrido e levado ao Hospital Lourenço Jorge por uma viatura do Corpo de Bombeiros. Ele sofreu uma grave fratura na bacia e, no momento, passa por uma cirurgia. Romário não precisou de atendimento médico. A ocorrência foi registrada na 16ª DP (Barra da Tijuca). Romário senta no acostamento enquanto aguarda o trabalho dos bombeiros - Reprodução/Twitter O condutor do veículo em que Romário se encontrava foi liberado após depoimento e a perícia foi requisitada para o local. Fotos publicadas nas redes sociais mostram Romário sem camisa, de meia e short, acompanhando o trabalho dos agentes. Segundo informações da Policia.
Após dois anos encarcerado, na Polícia Federal em Curitiba para cumprir prisão domiciliar, Marcelo Odebrecht deixará a prisão na próxima terça-feira (19), trazendo com ele as mudanças que o cárcere proporcionaram ao seu perfil de superpoderoso empresário. Segundo matéria da Veja ele sai muito diferente do que era quando entrou. A Veja descreve Marcelo pós-cárcere como mais reflexivo, sob alguns aspectos, mais sereno e não ostentando a soberba que a publicação ilustra com a declaração à imprensa no dia 15 de junho de 2015, quando disse que estava “irritado” por ter sido colocado “na linha de fogo do embate político” e ainda que “nós, que geramos empregos!”, exclamando indignado. Quatro dias depois foi surpreendido pela Polícia Federal em sua casa e levado à carceragem de Curitiba. Permaneceu preso por 914 dias. Nesse período, ao menos uma característica Marcelo Odebrecht manteve intacta. O herdeiro condenado a dezenove anos e quatro meses de prisão, tornado delator, impedido por determinação da Justiça de comandar seu império e mesmo de pertencer aos quadros da Odebrecht por dez anos, não perdeu a ambição. Ainda de acordo com publicação, Marcelo Odebrecht sai da cadeia determinado a mostrar que a prisão não o aniquilou. Ele descobriu, por exemplo, que no documento de 85 páginas que estabelece as condições de seu acordo de delação não há impedimento para que atue como terceirizado da Odebrecht quando se encerrar o período da prisão domiciliar, em 2020. No regime aberto, portanto, teria a possibilidade de criar uma empresa que preste serviços, inclusive, àquela da qual foi afastado. Essa é apenas uma das hipóteses que constam da carteira de planos do empreiteiro para o futuro. Marcelo Odebrecht tem outros objetivos de curto prazo. Na holding familiar, a Kieppe, ele é detentor de cerca de 5% das ações (o que lhe permite uma retirada mensal aproximada de 10 milhões de reais, incluindo rendimentos e dividendos). Para não ser deixado de escanteio no controle da Odebrecht, dado que está rompido com o pai, Emilio, começou a construir uma aliança com dois primos, Francisco Peltier de Queiroz Filho e Emilio Odebrecht Peltier de Queiroz, que, juntos, detêm cerca de 10% da Kieppe. A aliança seria uma maneira de ele manter algum poder decisório na holding familiar e, consequentemente, no conselho de administração da Odebrecht, atualmente presidido por seu pai.
Procuradores do Ministério Público Federal estão preocupados com o futuro da Lava Jato no Rio de Janeiro. Isso porque, nesta semana, conforme levantamento do MPF, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) concordou com todos os pedidos para libertar presos da operação. As informações foram exibidas nesta sexta-feira (15) no RJTV. Se observado de forma geral, porém, a atuação do TRF-2 tem sido rigorosa. Desde que passou a julgar os casos sobre investigados da Lava Jato, os desembargadores do tribunal negaram a maioria dos pedidos de liberdade de réus ou investigados. No total, foram 83 habeas corpus julgados e 60 deles foram negados. Mas, esta semana, o TRF-2 concordou com todos os pedidos apresentados pelas defesas para soltar acautelados da Lava Jato. Um dos beneficiados foi o ex-chefe da Casa Civil durante o governo de Sérgio Cabral, Régis Fichtner, além do empresário George Sadala. Fichtner é suspeito de receber mais de R$ 1,5 bilhão em propina e aparece na emblemática foto num restaurante de Paris. Aqueles que estão na imagem ficaram conhecidos, depois, como a "gangue do guarnapo". "Regis Fichtner era o secretário da Casa Civil durante todo o governo Cabral. Um personagem importante na organização. Eles tinham conhecimento das atividades. E o Jorge Sadala é um empresário que participou ativamente na organização com várias empresas", afirmou a procuradora Monica de Ré. De acordo com ela, valores "vultuosos" foram desviados do Rio de Janeiro, com recebimentos de propina inclusive este ano. A procuradora entende que a quadrilha persistia, mesmo após a renúncia de Cabral e com outro governador empossado. Passada esta semana, o MPF informou que vai recorrer contra os últimos cinco habeas corpus concedidos pelo TRF-2. Dois deles os procuradores querem que sejam anulados devido a suposta irregularidade na votação dos desembargadores. "Houve um desrespeito da regra processual quanto ao rito do julgamento, então esse julgamento provalvemente deverá ser anulado", explicou Mônica de Ré. Durante a sessão, o MPF afirma que ao conceder habeas corpus a George Sadala e Lineu Castilho Martins, o desembargador paulo Espírito Santo votou antes do relator, foi acompanhado por outro desembargador, Ivan Arthié, e o próprio relator , Abel Gomes, acabou não votando. Já no julgamento do habeas corpus de Régis fichtner, Abel Gomes se declarou impedido. Paulo Espírito Santo foi o relator. Ele e os desembargadores Ivan Athié e Messodi Azulai libertaram o ex-chefe da casa civil de Sérgio Cabral .. "O Ministério Público Federal fica bem apreensivo com essa nova postura da primeira turma do tribunal, pela maioria que estava naquele dia no julgamento e que pode representar um risco, sim, à Lava Jato", declarou a procuradora. A 1ª Turma Especializada do TRF-2 comunicou que a atuação segue rigorosa e estritamente os ritos processuais e regimentais estabelecidos para os julgamentos realizados na Corte. E que não há que se falar em qualquer irregularidade. A turma do TRF declarou também que a lei garante às partes e ao MPF os direitos ao recursos.
13O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novembro chegou à marca de 355.238, um decréscimo de 9% em relação ao mesmo período de 2016. No entanto, quando avaliada somente a natureza da indenização, os casos de morte cresceram 24% em relação ao mesmo período do ano passado, correspondendo a 37.492 indenizações. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (11/12) pela Seguradora Líder, administradora do Seguro Dpvat. Na cobertura por invalidez permanente, total ou parcial, foram registradas 263.923 ocorrências. Embora representem o maior volume de indenizações pagas no período, esse montante foi 15% inferior ao registrado no mesmo período do ano anterior. Segundo a Seguradora Líder, a redução de quase 10% no total de indenizações pagas, em comparação com o mesmo período de 2016, reflete, por um lado, a conscientização da população; e, por outro, o rigor adotado pela companhia para combate a fraudes. De acordo com a empresa, foram evitadas, de janeiro a outubro, perdas de R$ 831,9 milhões, sendo R$196,7 milhões em indenizações indevidas não pagas por fraudes comprovadas. LEIA MAIS: SETOR DE INTELIGÊNCIA: Polícia localiza cerca de 20 mil pés de maconha em Jacobina “O Seguro Dpvat é de todos os brasileiros e tem como principal missão amparar as vítimas em momentos de vulnerabilidade. Por isso, estamos investindo em modernização de sistemas e no uso de tecnologias de última geração para pagar certo a quem tem direito”, afirmou, em nota, Ismar Tôrres, diretor-presidente da Seguradora Líder. Motocicletas No período de janeiro a novembro de 2017, os acidentes com motocicletas foram responsáveis por 74% das indenizações pagas pelo Seguro Dpvat. A região Nordeste continua com o maior número de casos de acidentes envolvendo este tipo de veículo, que responde por 63% das mortes no trânsito na região. A empresa destaca que as motocicletas representam apenas 28% da frota do país. De janeiro a novembro, a maior incidência de indenizações pagas foi para vítimas do sexo masculino, mantendo o mesmo perfil identificado em anos anteriores. Pessoas com idades entre 18 e 34 anos foram as mais atingidas no período, representando 49% do total, o que corresponde a cerca de 172 mil indenizações pagas.
O policial militar Fernando Lopes foi preso nesta sexta-feira (8) suspeito de ter matado a policial civil recém-formada Karla Silva de Sá Lopes, de 28 anos. De acordo com o delegado Vicente Soares, o marido confessou o crime. Já o advogado do suspeito disse que ele nega. A mulher, que estava desaparecidade desde quarta (6), foi achada morta na quinta (7). A polícia não passou mais informações sobre as circunstâncias da morte ou onde o corpo foi achado. "Todos os fatos apurados já indicavam o crime de feminicídio praticado pelo marido, o que se confirmou com a confissão do mesmo perante o capitão da Polícia Militar, tendo ainda indicado por meio do desenho de um mapa o local em que teria enterrado a vítima", disse o delegado. A defesa argumenta que não houve confissão. "Ele reservou-se ao direito de permanecer em silêncio, por orientação minha, e não houve confissão nenhuma", informou o advogado de Lopes, Luiz Eduardo Righetto. Na noite de quinta, o advogado disse ao G1 que o policial prestou depoimento à Polícia Civil e que entregou para a perícia a arma que usa profissionalmente. Prisão "Como não houve flagrante, foi representada pela prisão preventiva ainda na noite de quinta, a qual foi deferida. O mandado foi cumprido na manhã desta sexta e o preso, por ser PM da reserva, está preso no 12º Batalhão, em Balneário Camboriú", informou o delegado. Segundo o advogado, Lopes recebeu ameaças em mensagens no telefone e, por isso, diz ter pedido que o suspeito permanecesse no batalhão da PM por segurança. A defesa ainda diz que vai tentar revogar a prisão preventiva. Desaparecimento Na quarta-feira, o marido disse que a policial civil saiu de casa, em Itapema, na manhã de quarta (6) para caminhar e não foi mais vista. Lopes foi quem notificou o desaparecimento à Polícia Civil. Ela é da última turma formada pela academia da Polícia Civil e deveria se apresentar até dia 12 deste mês para atuar em Otacílio Costa, na Serra. O caso está sendo investigado pela Divisão de Investigação Criminal de Balneário Camboriú.
O 12º Batalhão da Policia Militar juntamente com a 18ª Delegacia Territorial (DT) e a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (DRACO), realizam, Nesta quinta-feira (07) até o dia 31 de dezembro, por todo o município de Camaçari, a Operação Pacto pela Vida. A Operação, que também conta com o apoio da RONDESP/RMS e da CIPE POLO, e emprega 65 policiais e 10 viaturas, além de ônibus em Base Policial Móvel, tem como objetivos centrais incrementar a sensação de segurança para a população camaçariense e ampliar ainda mais as abordagens a veículos e locais suspeitos, no sentido de diminuir os índices de crimes violentos no município. O serviço de inteligência do 12º BPM e sua Coordenadoria de Planejamento Operacional fizeram levantamentos no sentido de localizar e facilitar os pontos sensíveis para as abordagens, procurando otimizar todos os recursos disponíveis para o sucesso da Operação. A Operação se inicia no bairro Nova Vitória e deverá se estender às demais localidades da cidade atendendo a critérios estratégicos de policiamento. A grande novidade é a utilização de cães policiais farejadores da raça Molinois, pertencentes ao Batalhão de Guarda da PM, que atuarão como importante ferramenta de busca por drogas em ambientes de difícil acesso, o que oferece à Operação um ganho em eficiência e qualidade nas abordagens.
Um roubo de carga no Complexo da Pedreira, na Zona Norte do Rio, foi flagrado por imagens do Globocop na manhã desta sexta-feira (8). O roubo aconteceu a cerca de um quilômetro de uma barreira da Força Nacional. Por volta de 7h54, a PM anunciou nas redes sociais que conseguiu recuperar a carga. "Vamos identificar o que realmente gerou essa falta de comunicação", garantiu o porta-voz da PM, major Ivan Blaz, garantindo que há uma coordenação do trabalho da polícia com as demais força de segurança. Logo depois do flagrante do Globocop, o comando da Polícia Militar mobilizou agentes que estavam em uma operação em Acari, que fica próximo ao local. Alguns criminosos estavam carregando fuzis, dando cobertura a outros comparsas. Depois que descarregaram a mercadoria, os criminosos levaram o caminhão menor para um campo de futebol na favela da Quitanda, em um local que parecia ser um esconderijo, próximo a uma área de mata. No local, há outros veículos. Na recuperação da carga, pelo menos dois suspeitos foram detidos no local onde os caminhões estavam escondidos. Um cerco foi realizado em toda a região. O campo de futebol onde ocorreu o roubo fica próximo da linha do trem, próximo à Avenida José Arantes de Melo, perto da estação de Costa Barros da Supervia. "Esta semana desmobilizou uma grande quadrilha de roubo de cargas, prendendo os principais chefes. O investimento em policiamento ostensivo é fundamental, assim com o investigação para reduzir o roubo de cargas. Há muitos personagens atuando nesse cenário. É preciso mais policiais e viaturas nas ruas, no Chapadão, Pedreira, Quitanda. É muito importante para acabar com o roubo de cargas nessa região. Ações coordenadas Força Nacional dão apoio às ações do 41º BPM, que estão em Acari", afirmou Blaz. O local fica próximo à escola Daniel Piza, onde a menina Maria Eduarda morreu no início do ano, após ser baleada no pátio da escola. Segundo o diretor da unidade, nesta sexta, às 9h, estava marcado a formatura dos alunos do 9º ano, mas, com essa ocorrência, ele disse que não sabe se vai manter a cerimônia. Em 2017, de janeiro a outubro, aconteceram 8.508 casos de roubo de carga no Rio de Janeiro. Apenas no mês de outubro foram 901 casos registrados,interrompendo uma queda que vinha ocorrendo desde junho passado, quando a Força Nacional intensificou o patrulhamento na região.https://globoplay.globo.com/v/6343303

Tela Noticia acima de tudo, representa jornalismo com seriedade em busca da verdade por trás dos fatos!

Lives Facebook

GALERIA FATO VERDADE