Polícia

Polícia (315)

O dono do Grupo Petrópolis, Walter Faria, foi preso na manhã desta quarta-feira (31), durante a 62ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal. A informação é do Antagonista. Ele é acusado de ter intermediado mais de 3 milhões de dólares em propinas da Odebrecht. Segundo os procuradores,o Grupo participou da lavagem de 329 milhões de reais.

A nova etapa investiga pagamento de propinas falseadas como doações eleitorais pelo Grupo Petrópolis.

Leia a nota do MPF:

"Lava Jato: executivos do grupo Petrópolis são presos pela lavagem de R$ 329 milhões entre 2006 e 2014 no interesse da Odebrecht.

Walter Faria, controlador do grupo, usou ainda conta na Suíça para intermediar o repasse de mais de US$ 3 milhões de propina relacionadas aos contratos dos navios-sonda Petrobras 10.000 e Vitória 10.000.

A 62ª fase da operação Lava Jato, deflagrada nesta quarta-feira (31/7), apura o envolvimento de executivos do grupo Petrópolis na lavagem de dinheiro desviado de contratos públicos, especialmente da Petrobras, pela Odebrecht. Foram expedidos pela Justiça Federal de Curitiba um mandado de prisão preventiva contra Walter Faria, controlador do grupo Petrópolis, e cinco mandados de prisão temporária contra executivos envolvidos na operacionalização ilícita de valores. Além disso, 33 mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em empresas do grupo e residências, localizadas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

As investigações revelaram que Faria, em conjunto com outros cinco executivos do grupo Petrópolis, atuou em larga escala na lavagem de centenas de milhões de reais em contas fora do Brasil e desempenhou substancial papel como grande operador de propina.

Conforme apontam as provas colhidas na investigação, Faria, em troca de dólares recebidos no exterior e de investimentos realizados em suas empresas, atuou para gerar recursos em espécie para a entrega a agentes corrompidos no Brasil e entregar propina travestida de doação eleitoral no interesse da Odebrecht; e transferir, no exterior, valores ilícitos recebidos em suas contas para agentes públicos beneficiados pelo esquema de corrupção na Petrobras.

Cooperação ilícita com a Odebrecht – O Setor de Operações Estruturadas, criado pela Odebrecht para o repasse de propinas para agentes públicos e políticos, sobretudo no esquema criminoso que vitimou a Petrobras, costumava utilizar três camadas de contas no exterior em nome de diferentes offshores. Como identificado na investigação do caso de hoje, havia ainda, em determinadas situações, a utilização de complexa estrutura financeira de contas no exterior relacionadas às atividades do grupo Petrópolis.

Em conta mantida no Antigua Overseas Bank, em Antigua e Barbuda, no nome da offshore Legacy International Inc., Faria recebeu US$ 88.420.065,00 da Odebrecht de março de 2007 a outubro de 2009 . Já entre agosto de 2011 e outubro de 2014, duas contas mantidas pelo executivo no EFG Bank na Suíça, em nome das offshores Sur trade Corporation S/A, e Somert S/A Montevideo, receberam da Odebrecht, respectivamente, US$ 433.527,00, e US$ 18.094.153,00.

Além de transferir, sem causa econômica aparente, valores no exterior para contas controladas pelo grupo Petropolis, a Odebrecht, para creditar montantes que seriam depois disponibilizados para pagamentos ilícitos, realizou operações subfaturadas com o grupo cervejeiro, como a ampliação de fábricas, a compra e venda de ações da empresa Electra Power Geração de Energia S/A, aportes de recursos para investimento em pedreira e contratos de compra, venda e aluguel de equipamentos.

Paralelamente, constatou-se que o grupo Petrópolis disponibilizou pelo menos R$ 208 milhões em espécie à Odebrecht no Brasil, de junho de 2007 a fevereiro de 2011. Além disso, o grupo comandado por Faria, por meio das empresas Praiamar e Leyroz Caxias, foi utilizado pela Odebrecht para realizar, entre 2008 e 2014, pagamentos de propina travestida de doações eleitorais, no montante de R$ 121.581.164,36.

O caso dos navios-sonda da Petrobras – Ao lado desses ilícitos envolvendo a Odebrecht, contas bancárias no exterior controladas por Faria foram utilizadas para o pagamento de propina no caso dos navios-sonda Petrobras 10.000 e Vitória 10.000. Entre setembro de 2006 a novembro de 2007, Júlio Gerin de Almeida Camargo e Jorge Antônio da Silva Luz, operadores encarregados de intermediar valores de propina a mando de funcionários públicos e agentes políticos, creditaram US$ 3.433.103,00 em favor das contas bancárias titularizadas pelas offshores Headliner LTD. e Galpert Company S/A, cujo responsável era o controlador do grupo Petrópolis.

Repatriação bilionária de valores sem origem comprovadamente lícita – Faria aderiu ao programa de regularização cambial, informando possuir mais de R$ 1,3 bilhão depositado em contas de empresas offshore. Algumas dessas contas, direta ou indiretamente, receberam valores das contas controladas pela Odebrecht e por operadores ligados ao caso dos navios-sonda, indicando que ao menos significativa parte desses valores tem origem não comprovadamente lícita.

Destaque-se ainda que, de acordo com documentação encaminhada da Suíça, foram identificadas 38 empresas offshore distintas com contas bancárias no EFG Bank de Lugano, controladas por Faria. Mais da metade dessas contas permaneciam ativas até setembro de 2018.

De acordo com o procurador da República Alexandre Jabur, “mesmo comparando com outros casos da Lava Jato, chama a atenção a expressiva quantidade de recursos lavados por Walter Faria e por executivos do grupo Petrópolis. Além disso, o fato de ainda manter recursos no exterior sem origem lícita comprovada e realizar a regularização cambial de mais de R$ 1 bilhão denota a permanência na prática do crime de lavagem de dinheiro e autoriza, conforme reconhecido em decisão judicial, a decretação da prisão preventiva do investigado”.

Provas – A investigação está amplamente fundamentada em diversas provas, incluindo
declarações prestadas por investigados que celebraram acordos de colaboração com o Ministério Público Federal; provas apresentadas nas ações penais 5083838-59.2014.404.7000, 5014170-93.2017.4.04.7000 e 5036528-23.2015.4.04.7000; documentos remetidos pelo Supremo Tribunal Federal, nos autos da petição 6.694/DF; documentos obtidos por cooperação jurídica internacional; documentos transmitidos espontaneamente pelas autoridades suíças às autoridades brasileiras; documentos extraídos do sistema Drousys, utilizado pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, para registro da contabilidade paralela da empreiteira; e documentos obtidos a partir da quebra do sigilo telemático, bancário e fiscal de investigados, autorizadas pelo Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Segundo o procurador da República Felipe D’Elia Camargo, “as investigações apontam para um esquema milionário de lavagem de dinheiro em que o grupo Petrópolis atuou em favor da Odebrecht na gestão, disponibilização e destinação de valores ilícitos. Foram identificados bens milionários, adquiridos a partir das contas utilizadas para o pagamento de propina, que ainda são mantidos no exterior. Isso reforça a necessidade de a Lava Jato continuar as investigações para esclarecer os fatos e buscar a recuperação daquilo que foi desviado dos cofres públicos”.

Um homem foi espancado por três pessoas, na noite desta quarta-feira (31), no estacionamento de um supermercado em Buraquinho, em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, após uma colisão. Segundo informações, além dos três homens, uma mulher com uma criança de colo estavam no veículo.

Segundo informações da 52ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), uma viatura foi acionada e, ao chegar ao local, encontrou a vítima no chão, ensanguentada próxima ao seu veículo. Ainda de acordo com a polícia, os suspeitos assumiram a autoria das agressões e foram conduzidos para a 23ª Delegacia Territorial (DT) para adoção das medidas cabíveis.

A vítima foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

 

Por BNews

Uma equipe da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Nordeste prendeu em flagrante, nesta segunda-feira (29), um homem com revólver e drogas em Tucano (BA). A guarnição recebeu uma denúncia anônima enquanto realizava rondas e abordagens na cidade para prevenir homicídios e repreender o tráfico de drogas na região.  

Os policiais chegaram até uma oficina no bairro da Vila Progresso e encontraram Everton Jesus Souza com a arma sem numeração, munições, um tablete de 1kg de uma substância similar à maconha, além de 107 “dolões” deste mesmo material. O acusado foi apresentado à Polícia Judiciária, em Euclides da Cunha. 

Um carro invadiu a entrada do metrô de Brotas na noite desta segunda-feira (29). Uma mulher teria perdido o controle do veículo, que desceu as escadas e parou somente quando colidiu no portão que fica na estação localizada na região da Travessa Amaral Muniz.

Com o impacto, o airbag do veículo estourou. A mulher foi retirada de maca por seguranças do metrô. Um homem estava no carro, mas, aparentemente, não teve ferimentos e acompanhou de perto o resgate.

Duas viaturas da 58ª CIPM, de Cosme de Farias, e uma ambulância do Samu estão no local. Segundo testemunhas, a mulher teria perdido o controle do carro na virada de uma curva. O acidente só não foi mais grave porque a motorista não estava em alta velocidade quando precisou passar pela curva. 

Dois homens foram presos, neste domingo (28), suspeitos de participação no roubo de ouro no terminal de cargas do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Segundo o G1, os detidos são dois funcionários do aeroporto: o encarregado de despacho Peterson Patrício, de 33 anos, que disse à polícia ter sido mantido refém pela quadrilha; e um ajudante dele, que não teve o nome revelado, e que teria convidado o chefe para fazer parte do assalto. 

Inicialmente, Patrício disse à polícia que foi sequestrado no dia anterior ao assalto e que a quadrilha fez sua família refém, conseguindo assim acesso a informações sobre a rotina no terminal. Mas, acabou confessando que foi cooptado pelos assaltantes.

Ainda de acordo com a publicação, a polícia já investigada a participação de alguém de dentro do aeroporto. Segundo o delegado João Carlos Miguel Hueb afirmou antes da prisão, os bandidos conheciam a rotina de uma área que é bem restrita.

O ouro roubado é avaliado em cerca de R$ 110 milhões.

O supervisor de projetos na TV Globo, João Feliz de Carvalho Napoli, e o professor Marcelo Henrique morreram esfaqueados por um morador de rua, neste domingo (28), na Lagoa, Zona Sul do Rio. Segundo o G1, durante a ação, outras cinco pessoas ficaram feridas, incluindo o agressor.

De acordo com a publicação, o carro em que João Napoli e a namorada, Caroline Moutinho, estavam foi abordado pelo morador de rua com uma faca em punho. O engenheiro tentou afastar o homem com a porta do carro e foi ferido no abdômen. O professor, que passava pelo local,  tentou socorrer João, mas também acabou esfaqueado. Os dois não resistiram aos ferimentos. Já Caroline, esfaqueada na mão e abdômen foi transferida para o Copa D'Or.

Quando a Polícia Militar chegou, conforme testemunhas, o morador de rua ainda estava com a faca e se recusou a soltá-la. Os policiais atiraram e ele acabou atingido. Uma bombeira também foi baleada na perna, mas o estado de saúde é estável. Outro bombeiro e um policial foram feridos por estilhaços, mas já tiveram alta.

Cerca de 150 pessoas foram presas durante uma rinha de galo, em Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, na sexta-feira (26).

Segundo os policiais militares, após denúncias anônimas, chegaram ao local que funcionava a rinha havia 27 baias, com seis gaiolas cada uma. Além dos acusados, foram encontrados 200 galos, que serão sacrificados por falta de um lugar para abrigar as aves.

Os homens flagrados na rinha foram levados, em um ônibus, para a delegacia local, onde prestaram depoimento. Os donos dos animais serão enquadrados pela Lei Ambiental e os apostadores devem responder pelo crime de jogos de azar que resulta em prisão de três meses a um ano.

Uma mulher foi assassinada a tiros no início da tarde deste sábado (27) em Feira de Santana, a 110 quilômetros de Salvador. O crime aconteceu em no centro de abastecimento da cidade, por volta das 13h.

A vítima, que vendia rifas no local, não foi identificada. De acordo com a polícia, a mulher foi atingida por três disparos de arma de fogo.

"Provavelmente foi por tráfico de drogas a motivação. Foi passado para a gente que ela vendia rifa e cobrava, mas aqui a lei do silêncio imperou totalmente", disse a delegada Dorean dos Reis Soares ao Acorda Cidade. O corpo foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT). A Polícia Civil investiga o caso.

A pontado como chefe de uma milícia que atua em Itaipu (Belford Roxo), na Baixada Fluminense, no Rio, Uendel Lima da Silva, o 'P', foi preso na manhã de quinta-feira (26). A ação foi realizada por agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).
 
De acordo com o Extra Online, o homem teve a prisão preventiva decretada pela Justiça no último dia 22, pelo homicídio de dois homens em 30 de outubro de 2018.

No momento da prisão, os policiais descobriram que o miliciano escondia armas num buraco na parede. Ladrilhos soltos escondiam o compartimento secreto, onde foram encontradas uma espingarda calibre 12, uma pistola com kit rajada e um revólver calibre 38. Os policiais também apreenderam, no local, coletes, balaclavas, algemas, um facão e uma máscara.

Um roubo a carro causou pânico aos motoristas que passavam pela Av. ACM, na região da Rodoviária, na tarde desta sexta-feira (26). Leitores informaram que durante a ação foi possível ouvir barulhos de tiros. 

Segundo informações obtidas pela reportagem, um suspeito foi detido e encaminhado para a Delegacia de Repressão a Furto e Roubo de Veículos (DRFRV). 

A Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) informou que o trânsito ficou lento, mas já está sendo normalizado. Ainda conforme o órgão, não houve vítimas.

 

Por BNews

Tela Noticia acima de tudo, representa jornalismo com seriedade em busca da verdade por trás dos fatos!

Lives Facebook

GALERIA FATO VERDADE