Vôlei-Conquistas inéditas na Superliga e presença certa em Tóquio 2020 Featured

29 Dez 2019
46 times

A principal conquista do ano para o vôlei brasileiro foi assegurar a presença nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, no Japão. A classificação foi garantida em torneios Pré-Olímpicos feminino e masculino. As brasileiras foram as primeiras a conquistarem a vaga no início de agosto: elas derrotaram na final a seleção da República Dominicana, com vitoria no tie-break, por 3 sets a 2, em partida realizada em Uberlândia (MG).   

Poucos dias depois, foi a vez de a seleção masculina, atual campeã (Rio 2016), carimbar o passaporte rumo a Tóquio. O Pré-Olímpico foi em Varna (Bulgária) e a classificação heroica na grande final, diante da equipe da casa, que contava com a torcida a seu favor. O time brasileiro, comandado pelo técnico Renan Dal Zotto, começou perdendo por 2 sets a 0, mas se superou em quadra e conseguiu virar o placar contra a Bulgária: emplacou 3 sets a 2, sacramentando a classificação para a olimpíada no Japão.Brasil vira o jogo contra a Bulgária e está garantido em Tóquio,Seleção masculina de vôlei

Outra virada histórica da seleção masculina aconteceu em setembro, na final entre Brasil e Argentina, valendo o título do Campeonato Sul-Americano, disputado em Santiago (Chile). A equipe hermana abriu 2 sets a 0 em cima dos brasileiros mas, a partir da terceira parcial, a história do jogo mudou, com alterações na escalação feitas por Dal Zotto. O Brasil conseguiu igualar o placar e no set final salvou quatro match points, selando a vitória por 3 sets a 2. Com o triunfo, o Brasil manteve a supremacia no sul-americano: foi a 32ª conquista brasileira em 33 edições. O único ano sem títulos foi em 1964, em Buenos Aires, quando o país não participou do torneio.

E pra fechar o ano com chave de ouro, a equipe masculina conquistou de forma invicta, e com uma rodada de antecedência, seu terceiro título na Copa do Mundo de Vôlei. Na penúltima partida da competição, disputada em outubro, em Hiroshima (Japão), a seleção brasileira derrotou a equipe dona da casa por 3 sets a 1, alcançando 100% de aproveitamento. Um título até então inédito para Renan Dal Zotto, que assumiu o comando do time após a Rio 2016.

Na Copa do Mundo Feminina, em Sapporo (Japão), o Brasil encerrou sua participação em quarto lugar. Mas fez bonito no Campeonato Sul-Americano, realizado na cidade de Cajamarca (Peru). A seleção, comandada pelo técnico José Roberto Guimarães, faturou o 13º título consecutivo ao derrotar a Colômbia por 3 sets a 0.  Foi a 21ª vez que o Brasil se sagrou campeão na história do torneio.  

Performance dos clubes

O ano começou bem para o Cruzeiro, que conquistou em janeiro o tetracampeonato da Copa Brasil de Vôlei Masculino ao bater o Minas, por 3 sets a 0, na cidade de Lages (SC). No entanto, em maio, o time de vôlei da Raposa, pentacampeão da Superliga, perdeu a hegemonia no principal campeonato nacional da modalidade. O Taubaté, equipe do Vale do Paraíba, interior paulista, faturou pela primeira vez o título da Superliga após vencer o Sesi-SP, por 3 sets a 1, fechando a série decisiva (cinco jogos) por 3 a 2.

Comandada pelo técnico Renan dal Zotto, também treinador da seleção brasileira, a equipe do Taubaté teve vários integrantes convocados este ano para integrar a equipe canarinho, como os ponteiros Lucarelli e Douglas Souza; os centrais Lucão e Otávio; e ainda o líbero Thales.  

Na Superliga feminina, também teve novidade: após um jejum de 17 anos, o Minas voltou a levantar a taça depois de uma vitória de virada sobre o Praia Clube, de Uberlândia. A equipe do treinador italiano Stefano Lavarini ganhou por 3 sets a 1, encerrando a série final em 2 a 0.  

Foi o quarto título da história do Minas na Superliga. Este ano o time conquistou ainda o Sul-Americano de Clubes, garantindo presença no Mundial de Clubes de Vôlei. Quatro jogadoras do time integram a seleção brasileira: a líbero Léia, a levantadora Macris, a ponteira Lana e a oposta Sheilla.

No início de dezembro, a equipe masculina do Cruzeiro foi vice-campeã do Mundial de Clubes de Vôlei, que reúne a elite do vôlei. O time mineiro enfrentou na final o Lube Civitanova, atual campeão europeu, que conta no elenco com Bruninho e Leal, jogadores da seleção brasileira.  A equipe italiana levou o título após vencer o time mineiro por 3 sets a 1.

Na disputa feminina do Mundial de Clubes, em Shaoxing (China), os dois representantes brasileiros foram o campeão nacional e o vice, Minas e Praia Clube respectivamente. O Minas, do técnico italiano Lavarini, fechou a competição na quinta posição, e o Praia Clube, comandado por Paulo Coco, terminou em sexto lugar.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter the (*) required information where indicated. HTML code is not allowed.

Tela Noticia acima de tudo, representa jornalismo com seriedade em busca da verdade por trás dos fatos!

Lives Facebook

GALERIA FATO VERDADE